sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Esperança de dias melhores


Nunca digas: Por que foram os dias passados melhores do que estes? Porque não provém da sabedoria esta pergunta. Eclesiastes 7:10

Em meio a saltos de ondinhas no mar, barquinhos com apetrechos pobres, romãs, uvas, roupas brancas e outros amuletos, cada um procura da forma que entende se preparar para a chegada do próximo ano.

Tenho bons motivos para crer que o ano que nos espera será melhor do que este que se finda sem precisar se socorrer daquilo que não nos socorre.

Razões: muitas, mas citarei apenas a Bíblia. Ela, como Palavra de Deus, nos basta.

O versículo nos diz que não há razão para dizer que ontem é melhor do que hoje, isso porque, se chegamos até aqui (hoje), é porque o Senhor tem nos sustentado (e pela sua infinita graça, assim continuará até a volta gloriosa de Jesus Cristo).

A cada ano na presença do Senhor será melhor. Mais aprendizado, mais crescimento espiritual.

É bem verdade que não é difícil de encontrar os amigos saudosos dos tempos que não voltam mais. Sempre encontraremos os tais, lembrando da saudade que Israel sentiu do Egito em meio ao deserto, de Pedro do seu barco de pesca ao ver Jesus crucificado, entre outras “saudades”.

Fato é que muitas saudades estão mais ligadas a falta de perspectivas do futuro do que lembranças do passado. E neste ínterim, só depende de nós. O futuro é a coroa da vida que nos aguarda. Não tenho esperanças que o mundo viva dias melhores, mas enquanto estivermos na presença de Deus, sempre teremos esperança de dias melhores para aqueles que estão vivendo debaixo da sombra das suas asas. Que venha 2015 com tudo que o nosso Deus reservou para nós.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Reflexões sobre o fim do ano...



Oração 01

Senhor, ao findar de mais um ano, quero te glorificar pois;
eu orei mais do que reclamei; eu jejuei mais e apareci menos; eu visitei mais as viúvas e os enfermos; eu evangelizei mais...aprendi mais da tua Palavra...passei mais tempo com o Senhor nas madrugadas do que na internet...derramei mais lágrimas aos teus pés do que “aluguei” ouvidos de neófitos para ser pedra de tropeço em suas caminhadas. Glorifico porque termino o ano ainda mais alegre, embora não faltaram lutas, mas a alegria que colocaste em minha alma é ultra circunstancial. Fui um marido, um pai e um servo melhor. Te agradeço e peço que continue a me aperfeiçoar, em nome de Jesus, Amém!

Oração 02

Senhor, ao findar de mais um ano, quero pedir ao Senhor que me perdoe; eu sei que na vigília passada eu prometi que ia ler a Bíblia em um ano. Eu sei que eu parei em Êxodo, mas eu tentei...é porque sempre que eu leio me dá sono...Perdoe-me também porque eu sei que orei muito pouco e mesmo assim foi só quando me vi apertado. Lamento não ter começado a bendita dieta. Sei que estou meio fora de forma, mas ainda bem que no Brasil gula não é pecado...Também transmiti muita coisa ruim no whatsapp, no facebook e no falecido Orkut, embora tenha prometido que usaria tais ferramentas para evangelizar. Perdoe-me por mais um ano que estou terminando no vermelho e não consegui administrar o que me destes. Também lamento poder contar as visitas que fiz este ano nos dedos de uma única mão, embora seja diácono na igreja. Tenha misericórdia, ainda, das vezes que reclamei, blasfemei e não aceitei tudo que me aconteceu. Perdoe-me de ter brigado com o pastor, com os demais diáconos, com o grupo de louvor, com as servas, com os jovens, por ter me desentendido com os adolescentes e por ter gritado e angariado a antipatia das crianças, mas elas eram muito chatas...

Acho que também não fiz muito bem em ter ameaçado sair, ameaçado voltar e de terminar o ano sem saber ao certo onde estou, pra onde vou e quem sou...espero que o próximo ano seja melhor. Em nome de Jesus, amém!

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Respeito aos salvos (e não salvos).


Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados. Que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo. Colossenses 2:16-17

Não é difícil perceber pelas cartas de Paulo a diversidade que havia dentro das igrejas à sua época. Na verdade, suas cartas tentavam muitas vezes sedimentar e unificar a doutrina, contudo, em vários textos percebemos diferenças entre as congregações.

O que eram diferenças de pequenos entendimentos ou até mesmo culturais, tornou-se em nossos dias um incontável número de denominações, placas, “garagens-igrejas”, CNPJs, etc.

O texto destacado não trata de ecumenismo. Não é um ajuntamento de denominações para um grande culto. Trata-se de dar o respeito necessário àqueles que tem a mesma condição: salvos em Cristo Jesus. Mais do que isso, trata-se de dar o devido respeito a todos indistintamente, afinal de contas, na medida que julgarmos seremos julgados, e não estamos aqui para julgar salvos e não-salvos. O Senhor o fará no Seu dia.

As heresias, apostasias, desvios, mentiras devem continuamente serem afastadas através da Palavra. Não há espaço para acordos enganosos e tapinhas nas costas. Há um compromisso com a Verdade. Existem fundamentos inabaláveis: A Bíblia como Palavra de Deus, Jesus como único e suficiente salvador, a Trindade, entre outros. O que não pode haver é exclusão, sectarismo, individualismo, arrogância.

O Cristo que nos uniu em Seu Corpo não nos dividiu em placas!

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Oração


Eu te invoquei, ó Deus, pois me queres ouvir; Salmos 17:6a

Atualmente, as pessoas procuram as congregações porque querem ver e ouvir o que Deus tem a dizer. Todos tem a curiosidade de saber o que Deus pensa a seu respeito...Um novo pastor “mais usado” ou um homem “cheio de Deus” é motivo o bastante para encher bancos que até então estavam vazios. Doutrina? Que nada! Escola dominical? Tô com sono! Santidade? (…).

A experiência de ouvir a voz do Senhor através da ação do Espírito Santo usando seus profetas é maravilhosa, contudo, Davi, com toda sua sensibilidade, escreve algo notável que é tão atual como foi nos seus dias: Deus quer nos ouvir.

Imagine se eu e você chegássemos hoje diante do Senhor e Ele dissesse que quer algo. Certamente, faríamos de tudo para conseguir atender o desejo do nosso Deus. Pois bem, é isso que Ele quer. Deus quer nos ouvir. Precisamos falar mais com Deus. Orar mais. Vivemos uma geração que tira horas para a internet, minutos para a família e segundos para Deus.

O que você tem a dizer a Deus? Eu confesso aos irmãos, tenho muito, muito a dizer...

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Vamos para o céu ou estamos fugindo do inferno?


E Eliseu lhe disse: Que te hei de fazer? Dize-me que é o que tens em casa. E ela disse: Tua serva não tem nada em casa, senão uma botija de azeite. 2 Reis 4:2

O azeite era muito presente na vida dos israelitas. Suas diversas funções (iluminação, medicamento, unção, sabão entre outros) faziam dele algo de grande valia.

Na Bíblia, por algumas vezes, o azeite torna-se uma boa figura da ação do Espírito Santo. As próprias funções do azeite ora citadas, são desempenhadas pelo Espírito Santo, principalmente após o pentecoste. É bem verdade que nos nossos tempos, credita-se muito mais a Ele a ação medicamentosa (curas e maravilhas). Outros grupos estão na fase da iluminação e creditam ao Espírito super e novas revelações. Fato ainda que ação do sabão, ou seja, a ação que o Espírito Santo tem de lavar e limpar o crente, retirando dele os pecados, maus pensamentos, os sentimentos impróprios, tem sido cada vez mais abandonada nos púlpitos durante a pregação da Palavra, embora tal ação continue perfeitamente agindo em nosso meio, uma vez que o Espírito age segundo a Soberania perfeita da Trindade sobre o homem e não o inverso.

Feita esta introdução, já é hora de ir terminando. (se o texto ficar grande o pessoal não lê...rs). A história da viúva e seus dois filhos nos dá a exata dimensão do valor do azeite. Ao ser questionada sobre o que tinha, não pestanejou ao afirmar que só tinha um pouco do valioso óleo. Sob a recomendação do profeta, buscou os vasos e viu dentro do seu lar o azeite se multiplicar. Pagou o credor e viveu do que sobejou.

Israel era um povo de muitas guerras. O inimigo o cercava o tempo todo. Logo, até mesmo pelo contexto cultural e social, analisando o AT, percebemos que algumas vezes o povo se aproximava de Deus para fugir do inimigo. Sabia que Deus era mais forte e um bom protetor.

Quando Jesus se apresenta como Deus, vemos que Ele vai mudar essa visão. E é aí que entra a figura do azeite. A parábola das dez virgens nos dá esta perfeita dimensão. Enquanto o óleo na história da viúva servia para afastar o credor, na nova aliança, o óleo presente é o preparo para o noivo. A ação do Espírito Santo hoje no meio da igreja não é somente levar o homem a fugir do inferno, (afastar o credor), mas é preparar o homem para o dia que iremos escutar o grito: Aí vem o noivo!!!

P.S. Azeite comprado não leva ninguém ao céu. A porta da graça está aberta, o óleo está sendo derramado e não se paga por isso, pois nossa salvação já foi paga na cruz (é só lembrarmos das cinco loucas...).

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Um problema diferente


Disse-lhe Marta: Eu sei que há de ressuscitar na ressurreição do último dia. João 11:24

Durante Seu ministério Jesus enfrentou toda sorte de problema: enfermidades, lares desfeitos, falta de alimento, pecado, endemoniados e muitos querendo benefícios para esta vida.

Agora, no texto em comento, Jesus estava enfrentando um problema diferente. Talvez, pela primeira vez no seu ministério, estava diante de alguém que estava espiritualizando o que era material. Jesus queria dar uma benção física, material, ali, naquele lugar e na frente de todos. Marta estava a falar de uma benção espiritual, que ocorreria muito tempo depois. A fonte do problema era a falta de fé, mas manifestada de uma maneira, até então, diferente!

Tem gente jogando para a eternidade o que Deus quer mudar aqui. Deus quer nos transformar aqui, mudar nosso coração, tirar mágoas, rancores, verdadeiros cânceres de maus sentimentos que abundam em nossa alma. É aqui que Ele quer operar. Jesus quer que sejamos, a olhos vistos de uma geração corrompida, exemplos de solidariedade, amor, transformação, alegria no Espírito Santo, modéstia no falar e no vestir. Exemplos como patrão, como empregados. É ainda nesta vida que Deus espera por isso. Caso contrário, viveríamos somente até nos convertermos e logo em seguida iríamos ao céu.

Não Marta! Lázaro vai ressuscitar agora. Está na hora de ressuscitar um testemunho fiel ainda para esta vida.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

O banquete de Isaque


E cresceu o menino, e foi desmamado; então Abraão fez um grande banquete no dia em que Isaque foi desmamado. Gênesis 21:8

Abraão fez uma festa para comemorar o dia que seu filho Isaque foi desmamado. A partir daquele dia, Isaque estava apto para provar outros alimentos diferente de leite. Alguns seriam saborosos, outros amargos. Mas tudo seria para seu crescimento.

Para melhor compreender a aplicação prática deste texto, vejamos o que Paulo escreveu aos Corintios: Com leite vos criei, e não com carne, porque ainda não podíeis, nem tampouco ainda agora podeis. I Co: 03:02

O Pai não dá uma festa quando a igreja está cheia dia de domingo à noite. Deus dá uma festa quando o pecador se arrepende. Há uma festa quando Deus vê que não somos mais crianças, não somos melindres, medrosos. Já temos a capacidade de aceitar a correção. Crescemos. Agora, podemos experimentar alimentos diferentes.

Abraão deu um banquete. Deus providenciou um manjar ao homem. O Cordeiro Imaculado. O Pão Vivo que desceu do Céu.

O Pai já deu uma festa a seu respeito?

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Sorria, você está sendo filmado.


E disse Sara: Deus me tem feito riso; todo aquele que o ouvir se rirá comigo. Gênesis 21:6

Quando o Senhor visitou a Abraão, narrativa descrita no capítulo 18 do livro de Gênesis, diz a Bíblia no verso 12 que Sara riu ao ouvir a promessa. Sara não riu de alegria. Riu de deboche, de descrédito, de falta de fé...

O Senhor que tudo conhece logo repreendeu o casal. Sara ainda tentou negar. Não adiantou. Deus conhece todas as coisas.

O tempo passou. Agora, já no capítulo 21, Sara está a rir novamente. Um riso diferente, não de deboche ou desesperança, mas um riso de felicidade, de fé, de alegria. Deus cumpriu o que prometeu.

Talvez você esteja no capítulo errado da sua vida. Tem gente que está rindo do que não deveria. Outros, rindo de desesperança. Mas as promessas de Deus não caem por terra. Deus fez Sara sorrir de uma maneira milagrosa. Ele pode fazer isso com você!

Nosso sorriso custou as lágrimas do Senhor. Ainda que as circunstâncias não te motivem a sorrir, sorria. Você e eu temos motivos para tanto!

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Justiça

Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos; Mateus 5:6

Essa semana que passou foi um tanto quanto difícil para mim. Perdi um amigo, um servo de Deus, pai de dois filhos pequenos, assassinado covardemente com dois tiros no rosto.

Enquanto as diligências da polícia prosseguiam em busca dos autores, o versículo acima do sermão das bem aventuranças não me saía da cabeça. Estava faminto e sedento por justiça. Mas que justiça?

Será que se a polícia os prendessem mataria minha sede justiça? 04 ou 05 anos na cadeia no país da impunidade resolveria? Ainda que fosse 10, 20, 30 anos ou prisão perpétua. É justo? Melhoraremos caro leitor a proposta. Ressuscitaria aqui a velha lei de talião (olho por olho e dente por dente) e sentiria que a justiça foi feita se a polícia os encontrasse e os matasse?

Ainda atônito com a notícia, dentro do meu carro, peguei a minha Bíblia e abri. Eis o texto:

Dai voltas às ruas de Jerusalém, e vede agora; e informai-vos, e buscai pelas suas praças, a ver se achais alguém, ou se há homem que pratique a justiça ou busque a verdade; e eu lhe perdoarei. Jeremias 5:1

Perceba meu amigo. Se houvesse um justo na terra, somente um, Deus o perdoaria. Não necessitaria de Jesus morrer por este, afinal de contas, já estava justificado por si. Entendi que a minha justiça é e sempre será falha. O que tenho aqui dentro comigo é uma enorme fome e sede de justiça mas que não pode ser suprida pela minha razão, muito menos pelo sistema judicial humano. É uma justiça que deságua toda em Jesus, afinal de contas, Ele foi de todos o mais injustiçado. Ele se injustiçou por mim e por você.

Eu, você, a família do meu irmão que se foi e toda a humanidade não precisam de sentimentos de vingança no coração. Precisamos da Justiça de Deus agindo em nós. Precisamos sermos justificados no Sangue do Cordeiro.


Creio e espero que toda esta fome e sede que sinto hoje, seja transformada em um grande banquete onde seremos fartos eternamente de JUSTIÇA!

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Como nos dias de Noé...

E, como aconteceu nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do homem. Lucas 17:26

Certamente muitas pessoas passaram próximas a construção de Noé. Imaginemos que inevitável era a pergunta: o que é isso Noé? Inevitável a resposta: “Virá um dilúvio e esta arca é a minha salvação e de minha família”. Não acredito que muita gente tenha dado ideia ao velho homem. “Coitado, pela idade, já não está muito bem...”.

Mas cá pra nós, naqueles dias de forte chuva, enquanto raios iluminam de forma assustadora o céu e os trovões parecem fazer a terra tremer, não poucos devem ter pensado: “E se Noé estiver certo? E se não parar de chover? Será o fim... ”. Contudo, os belos raios de sol do dia seguinte faziam com que a expectativa da noite anterior se tornasse novamente na certeza que o mundo gira em torno do homem e não há com que se preocupar.

Bem, todos conhecem o fim desta história. Houve um dia que o céu fechou, a chuva da noite não parou, nem a do dia, e somente salvou-se aqueles que confiaram na promessa de Deus.

Assim é a volta de Jesus. Há muitos fenômenos da natureza e na sociedade que fazem com que o homem pare para pensar. Reflita. Atemorize-se por instantes. Talvez até vá em uma igreja ou leia algum salmo. Mas passado alguns dias, tudo isto fica no esquecimento.

Um dia o céu fechou e veio juízo (para a maldade humana) e salvação (para Noé e sua família). Ainda que muitos achem loucura, um dia o céu vai se abrir e virá juízo (para maldade humana) e salvação (para aqueles que esperaram na promessa). Ora vem Senhor Jesus!

Contribuição: Thiago Procópio.

terça-feira, 22 de julho de 2014

O segredo de Jabez

E foi Jabez mais ilustre do que seus irmãos; e sua mãe deu-lhe o nome de Jabez, dizendo: Porquanto com dores o dei à luz. Porque Jabez invocou o Deus de Israel, dizendo: Se me abençoares muitíssimo, e meus termos ampliares, e a tua mão for comigo, e fizeres que do mal não seja afligido...! E Deus lhe concedeu o que lhe tinha pedido. 1 Crônicas 4:9-10

Em meio à genealogia de Judá, destacam-se dois versículos sobre a vida de Jabez. São poucas palavras mas muito a nos dizer sobre a vida deste homem.

Antigamente, o nome significava muito. Não à toa, Abrão e Jacó tiveram seus nomes mudados por Deus.

Jabez tinha motivos para querer mudar de nome. Jabez significa dor, sofrimento.

Contudo, em que pese ter nascido sobre uma influência tão ruim, com motivos para ficar desgostoso com sua mãe que lhe colocou um nome tão feio, Jabez ao invés de alterar seu nome e mostrar somente uma mudança exterior, resolve mudar seu interior. Diz a Bíblia que ele se volta a Deus e começa a orar. São tantas suas petições, que em algumas versões Bíblicas existe uma reticência para mostrar sua oração dirigida a Deus. Resultado: O Senhor respondeu seu clamor.

Eu e você hoje podemos fazer o mesmo. Crescermos revoltados, guardando rancores pelas mazelas ou falta de sorte da vida para conosco. Podemos ainda, simplesmente trocar a aparência. Mudar de religião. Dizer expressões da boca pra fora como “Misericórdia, Sangue de Jesus tem poder, Oh glória”, entre outras. 

A verdade mesmo é que podemos fazer como Jabez. Nos voltarmos a Deus e clamarmos para que Ele possa mudar nossa realidade. Este é o grande segredo daqueles que aprenderam a esperar num Deus que pode todas as coisas.

sexta-feira, 11 de julho de 2014

O valor da família

E levantou-se a mulher, e fez conforme a palavra do homem de Deus; porque foi ela com a sua família, e peregrinou na terra dos filisteus sete anos. 2 Reis 8:2

Não está escrito, mas tenho bons motivos para crer que o marido da Sunamita não era um bom pai / marido. Quando o menino ficou doente, mandou a prole para casa para que a mãe cuidasse. Morto o menino, a mãe é quem foi buscar ajuda com o profeta. Ainda no capítulo 04 do livro de Reis, o marido é descrito como um homem velho.

Há cônjuges assim. Maridos e esposas que no momento mais difícil da caminhada, não se prestam nem mesmo para buscar a Deus. A Sunamita teve que ir sozinha. Talvez, você também esteja buscando sozinho... acorde pelas madrugadas, ajoelhe-se ao pé da cama enquanto seu cônjuge dorme profundamente...

Diz a Bíblia que o filho da mulher de Suném ressuscita. Uma experiência até parecida com a nossa, de conhecermos ao Deus que Seu Filho está vivo e não morto.

Alguns capítulos após esta narrativa, o homem de Deus manda a mulher Sunamita descer a terra dos filisteus e peregrinar por sete anos até retornar. Seria, agora, a grande oportunidade de deixar para trás um marido envelhecido espiritualmente e quem sabe se ajeitar com filisteu novo, forte, olhos verdes. Quem sabe não passasse a andar de camelo novo... Não!

Diz a Bíblia que desce à terra dos filisteus a mulher e sua família.

O adversário tem insistido muito contra as famílias. Muitos lares tem se desfeito nesta última hora. A convivência conjugal nem sempre é fácil, mas não podemos deixar que entre na mente do servo que a separação é a solução. Pra Deus não é.

Lembremo-nos que o primeiro milagre / maravilha de Jesus não foi fazer um cego ver, um coxo andar, nem mesmo um morto ressuscitar para demonstrar poder. A primeira maravilha de Jesus foi consertar um casamento que tinha tudo para começar com acusações (Eu falei que iria faltar vinho....eu falei para não chamar tanta gente...etc, etc).

Jesus demonstrou que, nesta vida, a família está em primeiro lugar. É algo urgente e seus problemas devem ser sempre resolvidos com Jesus presente.

Por fim, a mulher Sunamita foi para a terra dos filisteus e voltou após sete anos (com sua família). Sete nos fala de um tempo perfeito e determinado. Exatamente o tempo que estamos vivendo. Estamos peregrinando em terra de filisteus, mas sabemos que este não é nosso lugar. Sabemos que há uma terra preparada para nós. Quando do retorno, o rei procurou a mulher que tinha o filho ressuscitado e deu a ela terra para morar. Um dia encontraremos com o Rei dos Reis e será procurado em nós também: O Filho Vivo está no coração? Se tivermos, herdaremos a Terra que Ele mesmo preparou para nós. Aleluia!

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Sociedade e Direito

Por esta causa a lei se afrouxa, e a justiça nunca se manifesta; porque o ímpio cerca o justo, e a justiça se manifesta distorcida. Habacuque 1:4

Conforme preceitua o professor Leonardo Boff, “passamos por uma crise ética na sociedade sem precedentes”. Para o filósofo Inglês Hobbes, o “homem é mau por natureza”; mas convenhamos que o homem nunca foi tão mal como nos dias de hoje.

Antigamente existia dois fortes valores que controlavam a sociedade: a família e a religião.

Eu não sou tão velho quanto a minha feição facial revela falsamente. (quem me conhece sabe disso). Mas lembro-me que ainda pequeno, o olhar do meu pai de canto de olho era suficiente para eu sair da sala onde ele e alguma visita conversavam. Ir para cozinha? Nem pensar! Menino não escuta conversa das mulheres. Logo, o quarto era a opção mais próxima.

Brigar na rua era sinal de duas coças...uma na rua, afinal de contas, meu avantajado porte físico só me permitia correr (e muito...). Ao chegar em casa, lembro-me até hoje da bendita goiabeira que sempre tinha uma vara fina aguardando ser cortada.

Ainda voltando a vara de goiabeira, era mais intimidação. Poucas vezes ela teve o prazer de tocar minha “macia” pele lavada com sabão de coco...(feito em casa, diga-se de passagem).

Era sempre novo demais pra ir pra rua sozinho ou voltar tarde pra casa. Sempre velho demais e já passava da hora de trabalhar, dizia meu pai... Tirar nota vermelha na escola, bem, nem te conto.

Minha família não era diferente de muitas outras. Aliás, parece que as mães faziam curso no mesmo lugar. Quando na reunião de família na casa da avó, se algum primo brigava, as mães não chegavam para tirar satisfação umas com as outras. Cada um pegava seu filho e daí pra frente, o leitor já imagina...

A transmissão de valores transcendentes também era certo. Temer aos pais e a Deus era princípio.

Com o tempo, a sociedade foi mudando seus valores. Hoje a família está cada vez mais sem poder, sem respeito. Se uma criança pede aos pais a nova geração de uma famosa marca de celular, que por sinal, antes do fim do mês já estará desatualizada, e os pais não dão, a criança entra em crise existencial, emocional, começa a fazer tratamento psicológico e a pensar em suicídio. Os pais hoje são controlados pelos filhos.

Junto com a mudança da família, com uma geração criada por babás e “videogames”, perdeu-se também o temor a Deus.

Religião” passou a ser um tema estigmatizado. O modelo de sociedade contemporânea é ateísta. Veja, por exemplo, que na escola é ensinada a teoria do bing bang como início do mundo e a teoria da evolução como explicação da existência humana, mas nem sempre é mencionada a teoria da criação por Deus. Em síntese, perdeu-se os valores transcendentes, perdeu-se a família, e substituímos pelo o quê?

O direito explica: o que mais estudo são as expressões “dignidade da pessoa humana” e “princípio da solidariedade”, contudo, isso tudo é muito bonito no papel, mas na prática, a sociedade é vazia. Não se pensa no outro, em ser solidário. A criação da geração “Y” somente aprendeu a ser sozinha graças a infernet. Se os filhos não estão sendo criados para honrar seus pais, não é a lei que fará isso.

A sociedade está ruindo porque trocou dois pilares sólidos (Deus e família), por pilares fraquinhos (Estado e lei). Conclusão: É o tempo do fim e este aqui não é nosso lugar. Ora vem Senhor Jesus!!!

terça-feira, 10 de junho de 2014

O Evangelho e a Copa do mundo.

Estima-se que a copa do mundo vai custar 25 bilhões aos brasileiros. Temos 13 das 50 cidades mais violentas do mundo. Alguns dos sistemas de transportes (metrô, ônibus) estão em greve. Parte das polícias também. Problemas com saúde e educação. Agora, fala a verdade, mesmo assim, a impressão que dá é que a copa vai acontecer normalmente. Um dos dirigentes da FIFA disse que os estádios brasileiros ficarão prontos horas antes do jogos. É a teoria “Na hora sai”. Talvez seja cultural, não atoa, mais de 60% dos brasileiros deixam para entregar a declaração de imposto de renda nos últimos três dias.

O evangelho no Brasil parece uma grande copa do mundo. Tudo é festa e a grande expectativa é a mesma: “na hora sai”!


Não, na hora não sai. Deus não é brasileiro. Não se iludam esperando que a televisão ou marketing resolverão. Na hora, vão sair aqueles que foram fiéis ao Senhor. Sairão aqueles que não fizeram do evangelho uma festa profana, corrupta. Sairão servos e servas que levaram a sério serem santos de Deus. Esses vão sair e vão morar eternamente com nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Lá, sim, na Glória, haverá uma festa eterna, onde as nações do mundo todo se juntarão e serão o que aqui na terra já somos, um só povo em Cristo Jesus.  

segunda-feira, 9 de junho de 2014

O que te trás de volta?

Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, Lucas 15:18a

O dinheiro do filho pródigo não acabou do dia pra noite. Ele não foi roubado. Ele foi perdendo a cada dia que se passava. Cada dia ele perdia mais seus bens, perdia contato com sua família, perdia saúde e tempo. Mas houve um dia que ele tomou uma decisão.

Não sei ao certo o sentimento que trouxe o filho pródigo de volta ao Pai. Talvez fosse apenas o desejo de saciar sua fome (pois na casa do Pai havia alimento), talvez fosse saudades ou outro sentimento qualquer. Mas uma coisa era certa: a decisão de voltar ao PAI.

Isso parece irrelevante mas faz toda a diferença. Imagina se o filho ao retornar, ao invés de primeiramente encontrar com seu Pai, encontrasse com seu irmão. Este, amargurado, magoado, certamente não o receberia bem. Talvez dissesse ao pródigo que fosse embora, afinal de contas, não era bem vindo na casa, era a vergonha da família, etc, etc.

Se o desejo fosse apenas voltar pra casa, como não seria bem recebido, fatalmente aquele filho iria embora novamente. Se o desejo fosse apenas uma casa, talvez, no meio do caminho da vida, arrumasse uma outra casa que lhe desse um bom emprego e suprisse sua fome, mas vejam, nesta nova casa, o filho não teria direito a herança.

A decisão do filho era ir encontrar com o PAI. Não importa o que aconteceria, não importa se seria ou não bem recebido pelo seu irmão, importava encontrar primeiramente o PAI. Era Dele que necessitava.

Quantas pessoas hoje estão afastadas da casa do PAI por causa de um irmão. Ressentimentos contra um irmão, contra um diácono, contra o pastor... Já tive o desprazer de ouvir algumas vezes a seguinte frase “se fulano vier eu saio da igreja”, “Deus não pode salvar alguém tão ruim assim”.


Toda casa tem um irmão problemático. É preciso aprender a lidar com ele(s). A diferença com o irmão não se compara a benção que o PAI tem para o filho. Que Deus nos ajude a sermos filhos melhores e irmãos melhores em Cristo Jesus. Amém! 

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Uma questão para pensar

Geazi foi atrás dos presentes que Eliseu recusara e ficou enfermo.

Saul, por ganância, quis o despojo da guerra que Deus dissera para não trazer. Perdeu o reinado.

Jesus disse que era mais fácil um camelo passar pelo orifício da agulha do que um rico entrar no céu. O jovem rico que o diga...

Jesus disse ainda aos discípulos para que fossem pregar sem bolsas, afinal de contas, pra que levar bolsas se não iriam receber dinheiro?

O próprio Jesus foi “vítima” da ganância pelo dinheiro, quando Judas o vende por trinta moedas de prata.

Pedro e João nada deram ao paralítico, senão a benção de ser curado. Não cobraram antes. Não cobraram depois.

Ananias e Safira morreram por reter dinheiro.

Simão ofereceu dinheiro a Pedro para que fosse lhe dado o poder de impor as mãos e fosse derramado o Espírito Santo. Foi severamente repreendido.

Os ricos que se aproximaram da igreja primitiva ficavam com menos propriedades, uma vez que as vendiam e repartiam com os irmãos.

Será que a teoria da prosperidade é mesmo o melhor caminho para a igreja?

segunda-feira, 12 de maio de 2014

O Verdadeiro e o Falso Adorador

"Atribuam ao Senhor, ó seres celestiais, atribuam ao Senhor glória e força. Atribuam ao Senhor a glória que o seu nome merece; adorem o Senhor no esplendor do seu santuário." (Salmos 29:1-2)

O rei Herodes era um tirano astuto e muito inteligente. Era também um grande construtor. Hoje, cerca de 2000 depois, as ruínas de suas estruturas incríveis, incluindo a sua fortaleza de Massada, ainda são visíveis em Israel. Ele construiu Massada, porque estava com medo que alguém pudesse tomar o seu reino. Ele até executou os seus próprios filhos porque percebeu que eram uma ameaça ao seu reino. Dizia-se na época de Herodes: "É melhor ser um dos porcos de Herodes do que um de seus filhos." Quantas criaturas estão sendo até hoje destruídas por diversos reis deste mundo?

Quando os sábios do Oriente chegaram a Jerusalém perguntando: "Onde está o recém-nascido rei dos judeus?" (Mateus 2:2), Herodes, de repente, percebeu que havia outro rei na cidade. A Bíblia diz que Herodes ficou perturbado. Ele lhes disse: "Logo que o encontrarem, avisem-me, para que eu também vá adorá-lo" (Mateus 2:8). Os sábios eram verdadeiros adoradores, mas Herodes era um falso adorador. Ele era hostil para com Deus, mas se disfarçou como um adorador de Deus.

Há muitos filhos de Deus que nesta hora estão sendo sábios adorando e presenteando a Deus com os seus corações, mas existem ainda sem sabedoria dezenas de Herodes que estão distantes do Senhor Jesus e as vezes se sentam nos bancos de muitas igrejas, mas estão fora de sua presença. Exteriormente, parecem devotos e profundamente religiosos, mas por dentro vivem uma mentira. Eles não conhecem Deus, não têm um relacionamento com Deus. Eles podem “cantar as músicas”, mas não louvam a Deus com os lábios de seus corações. Eles podem dar ofertas ou até dízimos, mas não entregam os seus corações à obra do Senhor. Eles podem se apresentar fazendo aparentemente todas as coisas certas, mas isso por si só não significa que sejam verdadeiros adoradores, porque só Deus vê o coração.

O que será que Deus está vendo em nosso coração? Será que estamos sendo um verdadeiro adorador? Parece haver muita abundância de falsos adoradores hoje. Frequentar Uma Igreja e Cantar Louvor não o torna um verdadeiro Adorador. Deus está buscando os verdadeiros adoradores que O adore em Espírito e em Verdade.


Contribuição: Cícero

segunda-feira, 28 de abril de 2014

O poço é fundo, mas o resgate é maior!

E respondendo-lhes disse: Qual será de vós o que, caindo-lhe num poço, em dia de sábado, o jumento ou o boi, o não tire logo? Lucas 14:5


O texto em questão trata-se da cura de um hidrópico e tem entre inúmeros pontos, dois a serem ressaltados nesta postagem.

O primeiro é que Jesus entra na casa de um dos principais dos fariseus e quem lá estava fica observando o Mestre. Poderiam usar aquele momento único onde o Filho de Deus, o Esperado de Israel, O Messias ali estava e tirar dúvidas, pedir conselhos, curas, libertações, ser um seguidor, etc. Não, limitaram-se a observar.

Hoje vivemos um evangelho observante. As pessoas estão acostumadas e acomodadas a ir nos cultos e voltarem para suas casas sem querer um compromisso maior, sem querer ter um encontro pessoal com Jesus. Querem só observar. Quando a igreja em Atos dos Apóstolos começou a crescer a um interessante texto que diz que o número de salvos ia crescendo bem como o número de simpatizantes pela igreja. Veja, caro leitor, que os simpatizantes não eram contados como salvos, assim como hoje vemos muito que se simpatizam com os evangélicos e fica nisso. Deus tem muitos mais para o homem do que simplesmente ir e voltar à igreja uma vez por semana!

Sem delongas, o segundo ponto que chamamos atenção é o versículo em destaque. Justificando-se de ter curado alguém no sábado, algo que muitos religiosos consideravam uma afronta a lei de Moisés, Jesus pergunta quem daqueles não tiraria um boi um jumento que caíra em um poço no sábado...

O homem caiu em um grande poço no dia que pecou contra Deus. A partir deste dia, a humanidade mergulhou num poço tão fundo que parecia não ter mais volta. Mas um dia, o Senhor olhou da eternidade e enviou seu único Filho para nos resgatar. Para isso, Jesus desceu no mais fundo de todos os poços. Ele morreu por nós, Se deu, Se entregou. Ele entrou no poço do pecado e da morte. Ele levou ali naquele ato as nossas iniquidades. O poço era tão fundo que o Pai lhe virou o rosto. Mas glórias a Deus, no terceiro dia Ele ressuscitou e junto com Jesus, a toda a humanidade foi dado a oportunidade de sair deste imenso buraco.

É verdade que muitos hoje tem caído nos buracos do mundo (desemprego, enfermidade), ou nos próprios buracos do orgulho, do ódio, da inveja, da cobiça. Mas lembre-se, por pior que seja o momento que você esteja passando, por mais que você esteja pensando que chegou no fundo do poço, Deus já enviou o Resgate.

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Conhecendo a Deus através da Palavra

Um dos meus chefes brinca dizendo que não vai na minha igreja (apesar de já ter ido uma vez) pois lá falamos a verdade e segundo ele, “quer valer-se da sua ignorância para utilizar como escusa ou atenuante no dia do julgamento final”.

Ouvir isso de alguém que ainda não teve um encontro com Deus não surpreende, mas surpreende este pensamento de um crente. Outro dia, conversando com um líder evangélico perguntei se ele tinha feito curso de teologia. Confesso que achei que o sujeito ia me “amaldiçoar” em nome de Jesus. Ouvi um sermão de uns dez minutos dizendo que o importante é a graça, a graça, a graça, e que teologia não salva ninguém, etc, etc.

Fato, ninguém encontrará a Cristo num seminário pois quem vai fazer este encontro é o Espírito Santo, mas eu “jurava” que na minha Bíblia estava escrito para crescermos na graça e no CONHECIMENTO. Lógico que teologia não está ligado a conhecimento, mas chega a ser surpreendente o quanto existe um desinteresse pela Palavra. Quantos hoje estão bem acomodados nos bancos das igrejas esperando apenas o que vai ser servido pelo pregador? Logo, vemos tanta gente sendo manipulada e um evangelho que mergulha dia e noite nas mesmas bases teológicas que tínhamos antes da reforma protestante.

O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento; Oseias 04:06a

Jesus reforçou tal entendimento quando disse que “errais por não conhecerem as escrituras”.

Por nossa falta de entendimento pagamos um preço muito alto. Comemos mal, gastamos mal nosso dinheiro e a maior prova social disso, votamos mal demais (a ver a realidade política do país).

É preciso voltar a Palavra para conhecer mais os desígnios de Deus. A Palavra viva afasta o pecado. Podemos perder uma geração social por causa do desconhecimento e da desinformação, mas não podemos brincar e perder a vida eterna por falta de conhecimento.

segunda-feira, 31 de março de 2014

A importância do Cristianismo


Nesta semana vi uma personalidade dando uma entrevista dizendo que o cristianismo é o maior disseminador de preconceito e atraso da sociedade. Vejamos...

O Estado hebreu foi a primeira experiência bem sucedida da humanidade de limitação ao soberano - origem do constitucionalismo moderno (Marcelo Novelino).

O povo de Deus foi o primeiro a ter sistema judicante com graus de recurso. Adotou o princípio da legalidade e da reserva legal. Penas previstas para condutas previamente tipificadas. Codificação de direito civil, penal e comercial. Limitação a autotutela. Leis de defesa para o feto e a mulher. Limitação a escravatura com previsão de liberdade e proibição de castigos em excesso. Separação e individualização de penas e apenados. Constituição de colônia agrícola para cumprimento de pena. Prescrição para a cobrança de dívidas. Princípio da federação (12 “tribos” - estados; que formavam um país). Devido processo legal para o direito sancionador com mínimo de duas testemunhas. Previsão da tripartição de poderes (livro dos profetas menores). Recomendação (no novo testamento) a órgãos de defesa e da segurança pública para não entrarem em greve e se rebelarem contra o Estado, princípio adotado no Brasil de proibição de greve para as forças armadas, polícias civis e militares conforme entende o Supremo Tribunal Federal.

Jesus confirmou todas estas leis e revogou a lei de Talião. Ao se deparar com a mulher prostituta, livrou-a da condenação. Pregou e salvou os excluídos (enfermos, moribundos, leprosos, deficientes). Cristo ensinou o perdão. Evitou revoltas e instabilizações na sociedade. Dividiu a história em antes e depois. É um marco revolucionário na disciplina de direitos humanos.

Nas cartas as igrejas, seus seguidores, falam da necessidade de respeito e oração as autoridades (por falar nisso, você já orou por alguma autoridade?) Paulo pede aos irmãos que evitem causas judiciais e contendas entre irmãos.

Pois é, de lá pra cá, pra quem não sabe, grande parte das escolas e faculdades do Brasil e do mundo são bancadas por igrejas. Há quem diga que este número é maior inclusive do que as instituições bancadas pelo Estado. A igreja construiu um grande número de hospitais. Nós (a igreja), bancamos grande parte das obras sociais deste país. As igrejas são responsáveis pela imensa maioria dos presos (esquecidos pelo Estado e pela sociedade) que se recuperam. Igual número contabilizam as recuperações de viciados, drogados, etc.

Acabando com a “religião”, matamos nossa história, nos entregarmos as mazelas do Estado e não serão vídeos do youtube que nos salvarão.

sexta-feira, 21 de março de 2014

Construindo o Templo


II Cr 02:4 Agora estou para construir um templo em honra ao nome do Senhor, o meu Deus, e dedicá-lo a ele, para queimar incenso aromático diante dele, apresentar regularmente o pão consagrado e fazer holocaustos todas as manhãs e todas as tardes, nos sábados, nas luas novas e nas festas fixas do Senhor, o nosso Deus. Esse é um decreto perpétuo para Israel.

Começa a construção do templo. Diz a Bíblia no vs 01 que Salomão pensou em fazer um templo para o Senhor e um palácio para ele próprio. Salomão envia a mensagem do texto acima ao rei de Tiro.

Um rei construir um palácio não era novidade. Todo rei que se preze tinha um bom palácio. Talvez houvesse até um sentimento de vaidade; cada rei que construía seu palácio tinha que ser melhor e maior do que os palácios vizinhos. Mas Salomão era diferente...

Ele não citou que estava construindo um palácio. Ele cita que fará um templo de honra ao nome do Senhor e que isso seria decreto perpétuo.

Estamos como Salomão. Edificamos nosso templo (vida espiritual) e nosso palácio (vida material). O grande problema é que fazemos hoje mais questão de mostrar uma reforma no nosso palácio (um aparelho de jantar novo, trocou o piso, fez rebaixamento em gesso, etc) do que temos questão de construir um templo ao Senhor.

A construção do templo consumiu tempo. A construção de uma vida espiritual também requer abdicação, santificação, obediência, leitura da Bíblia, orações e jejuns, visitas aos órfãos, viúvas, presos, enfermos...

Salomão divulgava com a mensagem quem era o Deus de Israel. O que o evangelho hoje tem divulgado?

Fato é que temos visto muitos templos passageiros e isso não cumpre a finalidade da Bíblia (ser perpétuo). Que o Senhor nos ajude a sermos templos eternos para Honra e Glória Dele, para que não nos sujeitemos as intempéries da vida e venhamos ver nosso templo ruir. 

segunda-feira, 17 de março de 2014

O culto de Isaque


No cap. 21 do livro de Gênesis está a narrativa do nascimento de Isaque. O cap. 23 nada fala do jovem e no 24 já lemos sobre o seu casamento. Entre tais acontecimentos está o cap. 22, figurando a conhecida história onde Isaque fez uma das perguntas mais importantes da história: “Onde está o cordeiro?”.

Quanto anos Isaque tinha neste momento? A Bíblia não diz. Poderia ainda ser um pequeno menino ou um jovem rapaz.

Pv 23: 13a Não retires a disciplina da criança/...

Filho não vem com manual de instruções. Quem tem, sabe da dificuldade para criar, educar, principalmente numa sociedade tão liberal quanto a nossa.

Muitos não querem acordar cedo os filhos para levá-los a uma escola dominical. Não aceitam os filhos serem corrigidos por professores ou pastores. O resultado são muitas vezes crianças pouco comprometidas com Deus e jovens sem temor...

No ápice da vida de Isaque, o menino / jovem faz mais do que uma pergunta. Ele se dá conta que faltava alguma coisa. Talvez não tivesse em sua mente o risco que corria naquele momento, mas que importa? Faltava o cordeiro, e o cordeiro fazia falta em qualquer momento, seja em perigo ou não.

Precisamos orar para que nossas crianças e jovens possam perceber o centro do culto. O entendimento que Isaque tinha sobre o culto a Deus deve ser o nosso entendimento. O cutelo anda o tempo todo atrás do homem e somente o sacrifício perfeito pode livrar o homem deste juízo. Jesus!

Esqueçamos dos “Abraões ” da vida, grandes homens de experiência com Deus mas que nada podem no fatídico dia; esqueçamos da lenha e do fogo, que produzem calor momentâneo, mas só consomem a vida do homem e o expõe aquilo que somos; cinzas. Voltemos ao Cordeiro! 

quarta-feira, 12 de março de 2014

Diminuindo a graça de Deus


Certa vez ouvi uma jovem furiosa reclamar da expressão que o pregador havia dito: “o Senhor nos tirou do mundo”. Segundo esta jovem, ela não veio do mundo; não bebia, não se prostituía, não fumava e/ou usava drogas, logo, não veio do mundo. A tradução / estudo da Bíblia Pentecostal de Frank Charles Thompson, afirma que a palavra mundo descrito no Novo Testamento está ligado a todas as forças empregadas pelo adversário para tirar o homem do caminho. Para isso, soma-se o sistema global de influências educacionais, culturais, políticas, financeiras, a carne e a religião.

Se esta jovem não veio do mundo, estava escondida aonde? (Ela não veio de outra denominação séria!!!).

O evangelho que hoje está sendo pregado, principalmente pela difusão midiática, é repleto de testemunhos de ex-viciados, pessoas falidas e toda sorte de tragédia. Por um lado isso pode ser bom, mostra que Deus tem poder para transformar qualquer pessoa, mas lado outro, os prejuízos de tal metodologia tem sido bem mais acentuados. Primeiramente por causa do número de pessoas que tem se “achegado” a Deus (ou a Mamon) por causa do dinheiro. O segundo efeito é este da cabeça da jovem. Explico.

Quando me converti, lembro-me de um colega que chegou perto de mim e perguntou o que havia acontecido comigo para “mudar de religião”. Estava em depressão, vícios em jogos, bebidas, drogas, decepção amorosa? Perguntava tal colega tentando explicar o que só Deus pode explicar (o amor pelo pecador).

Nada disso me levou ao Senhor. Fui pelo seu chamado. Para nossa jovem da postagem, é preciso que haja uma vida deplorável em pecado, de miséria absoluta, para que haja conversão. É um pensamento onde “pecadinhos” não afastam as pessoas de Deus. Uma visão embutida de que salvação ainda é pelas obras, afinal de contas, sempre foi tão boa em sua vida, que agora, somente se adaptou melhor em outro lugar. Em resumo, trocou de time.

Não quero e não posso julgar a salvação de ninguém. Mas é fato, tal mentalidade gira em torno de um campo muito perigoso. Não podemos diminuir a graça de Deus. Diz a Palavra que há festa no céu por um pecador que se arrepende, isso inclui os pecados dos mais frios e sanguinários criminosos aos pecados do dono do orfanato que viveu para cuidar de crianças pobres. Salvação é dádiva, não é mérito.